Você é o visitante Nº 284487 

   ESPAÇO RIO CULTURAL - DESTAQUES

 

Agrupamos os eventos em faixas de preço, confira!!!!

Grátis
Encontrados: 4
Até R$ 30,00
Encontrados: 10
Acima de R$ 30,00
Encontrados: 0

"OS MÚSICOS DE BREMEN"
Sábados e Domingos
Até 08 de fevereiro de 2015 - Teatro da UFF 
A história se passa em alguma cidade do interior de Minas Gerais por volta dos anos 20 e narra à trajetória de quatro amigos, que cansados das humilhações e maus tratos do seu patrão, o Barão, resolvem fugir para encontrar sua liberdade. O encontro resulta na formação de um grupo de artistas mambembes que sonha em chegar à famosa semana de arte na cidade grande e ao estrelato. A trajetória vai sendo narrada por dois típicos contadores de "causos", que retratam o singelo das coisas corriqueiras e floreiam com seus exageros e contos fantásticos desde o homem que pegava fogo de raiva, a mocinha que morria de amor. Em sua jornada os protagonistas serão enganados novamente, mas acabam descobrindo a importância da amizade e de se manterem unidos em busca de sonho.

A peça traz também um momento diferenciado para seus expectadores: uma pequena aula de musicalização, feita pela professora Juliana Veronezi, que integra o elenco , onde as crianças aprenderão as notas musicais pelo método Kodály, noção rítmica e aprenderão a canção Todos juntos, de Chico Buarque para cantar em certo momento da peça e salvar os 4 heróis!

O cenário musical é construído sobre belas canções de consagrados compositores brasileiros, em especial Chico Buarque e Milton Nascimento. Os arranjos e direção musical foram assinados por Dalton Coelho e contou com a codireção de Juliana Veronezi. Dalton destaca as harmonias e contracantos vocais acompanhadas pela beleza do violão brasileiro e por boas pitadas de instrumentos de percussão. O roteiro, executado ao vivo, torna o espetáculo ainda mais atraente.

"A Música de Minas evoca todas as formas de sentimento da alma. Os sons que vem de Minas são os melhores para contar a sua própria história. Alguém já disse que o tempo passa mais devagar em Minas."

Quando: De 10/01 a 08/02 - Sábados e domingos às 16h

Quanto: R$ 30,00 (inteira)

como chegar |  todos os eventos


 
A VISITA DA VELHA SENHORA
"Teatro na Justíça" - Grátis
Até 29 de julho de 2015 - Centro Cultural do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro  
Para o CCPJ-Rio é uma honra imensa apresentar aos palcos cariocas uma nova montagem de “A Visita da Velha Senhora”, texto encenado no mundo inteiro e que consagrou o suíço Friedrich Dürrenmatt (1921-1990) como um dos mais importantes dramaturgos de língua alemã da segunda metade do século XX.

Quando: Dias: 29,30 e 31/01, às 19h - Temporada: 02/02 a 29/07, às 19h

Quanto: A entrada é franca e a distribuição de senhas será realizada 30 minutos antes do início do espetáculo.
como chegar |  todos os eventos


 
KIMI NII - NAS NUVENS
De terça a domingo - Grátis
Até 22 de fevereiro de 2015 - Centro Cultural Correios 
“No começo da minha incursão pela cerâmica projetei e executei artesanalmente conceitos que aprendi na escola: desenho limpo e forma pura, aliados à necessidade. Esculturas de formas geométricas, racionais, que tentava impor à difícil técnica e processo da cerâmica de alta temperatura.

Aos poucos fui aprendendo uma lição de humildade: aliar a minha vontade às propriedades do fogo, água, ar, terra, e tirar proveito disso”.
Kimi Nii

Permanece em cartaz, a exposição Kimi Nii – nas nuvens, composta de mais de cem obras da artista KIMI NII, uma das mais prestigiadas escultoras em cerâmica da atualidade. Curadoria de Pieter Tjabbes e textos de Antonio Gonçalves Filho.

Kimi Nii nasceu em 1947 em Hiroshima, no Japão, de pai japonês e mãe brasileira descendente de japoneses e veio para Brasil aos 9 anos. Talvez por suas raízes culturais, tem na impecabilidade das formas das peças uma de suas marcas registradas. Unindo o domínio técnico com as nuances da surpresa no resultado final de suas esculturas, as peças em cerâmica de Kimi Nii têm extrema simplicidade nas formas, que transmitem uma temática extremamente brasileira somada às cores terrosas e a uma linguagem única e beleza incomuns.

A artista observa: “percebendo a dificuldade de domar as manhas do fogo e da terra, resolvi não impor meu desejo e tomar partido dessa característica do processo”. Em algumas peças, Kimi Nii leva em conta a ação do fogo (a 1300°C), que entorta ou faz cair a parte da peça que não encontra apoio. Na cerâmica japonesa, a imperfeição pode traduzir uma manifestação natural, um capricho contra a severidade que seus artefatos expressam.

Os novos trabalhos da artista que serão apresentados na exposição incluem duas instalações, uma vertical, batizada “nas nuvens”, composta de conjuntos de tufos estilizados, com formas arredondadas, dispostas em uma parede; e outra horizontal, onde Kimi Nii retoma um tema que já esteve presente em seu trabalho, com formas inspiradas em montanhas e vulcões, seguindo soluções mais geométricas. Ao contrário do que é marcante em quase todo o trabalho da artista, o formato das peças pode não ser exatamente a materialização daquilo que foi projetado.

Exposição: Kimi Nii - nas nuvens, cerca de cem esculturas em diversos formatos -Visitação: salas 1 e 2 e sala A do 3º andar

Quando: Até o dia 22 de fevereiro de 2015 - terça-feira a domingo, das 12h às 19h

Quanto: Grátis

como chegar |  todos os eventos


 
"RICARDO III"
Solo de Gustavo Gasparani integra o projeto Gamboavista
31 de janeiro a 01 de fevereiro de 2015 - Galpão Gamboa 

Encenada pela primeira vez entre 1592 e 1593, com enorme sucesso, a peça se passa no final da Guerra das Rosas (1455-1485), conflito sucessório pelo trono da Inglaterra ocorrido entre 1455 e 1485, que coloca em choque político os dois ramos da dinastia Plantageneta: a Casa Real de York e a Casa Real de Lancaster. Ricardo, Duque de Gloucester – que de fato governou a Inglaterra de 1483 a 1485 –, não sente remorso algum ao eliminar seus adversários, tramando complôs, traindo familiares e casando-se por interesse com o único fim de chegar ao trono. Shakespeare retratou Ricardo III exagerando-lhe as características físicas de feiúra e sua maldade pessoal, criando um vilão fascinante aos olhos do público. Além disso, os diálogos elaborados pelo autor no fim do século XVI chegam ao século XXI, em toda a sua força, carregados de maldades, ressentimentos e ódios à flor da pele, legítimos duelos verbais.

Crédito Foto: Nil Caniné

Quando: 31/01 e 01/02 - sábado, às 21h, e domingo, às 20h

Quanto: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia) /R$ 5 (para moradores dos bairros da Zona Portuária, apresentando comprovante de residência)

como chegar |  todos os eventos


  2015
DOM SEG TER QUA QUI SEX SÁB
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Espalha aí...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Destaques | Nós | Música | Teatro | Exposições | Mostras de Cinema | Dança | Infantil | Crônicas | Diversos | Grátis | Fale Conosco Loja Web
Todos os direitos reservados
Rio de janeiro Shows Teatro Exposicoes Musica Cultura Lazer Eventos Culturais Agenda Dicas pecas de teatro